2º Domingo do Advento – Ano C

Ser Pioneiro

As actividades radicais estão na moda, fazer coisas que mais ninguém faz, ou de dificilmente possam ser feitas. Descobertos quase todos os territórios do mundo agora o homem procura traçar novas veredas, por cainhos cada vez mais novos: ou indo à conquista de outros planetas como Marte, ou procurando decifrar aquilo que se esconde no mais íntimo dos seres, como o famoso projecto da descodificação do genoma humano.

Estes novos pioneiros já não são meros aventureiros, mas são gente que arrisca sobretudo o seu modo de vida a sua reputação para percorrer caminhos não abertos, para mostrar aos homens que há coisas que são possíveis.

Os caminhos do mundo, da ciência e da tecnologia começam a estar abertos, mas não são suficientes. Não basta a ciência e a tecnologia, é necessário abrir os caminhos do coração, do espírito humano. Esses caminhos são os mais difíceis de percorrer porque não há um mapa que se possa seguir e que sirva para toda a gente. cada qual tem de traçar o seu rimo e seguir esse caminho.

No entanto temos pistas que servem para todos os homens. Pistas dadas por outros homens, que arriscaram seguir por esses caminhos novos. É por isso que neste domingo encontramos um homem a pregar no deserto. E o que é que ele diz? “Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas”

Então temos de abrir o caminho para os outros passarem? Sim. Temos de abrir caminhos para que o Amor possa chegar até nós. O Amor que se fez homem para nos ensinar a caminhar no meio da confusão da vida, navegando, como os primeiros marinheiros, guiados pelas estrelas que no céu nos apontam o rumo certo.

Não estamos sozinhos quando abrimos caminho em direcção aos outros. Nem somos nós que tomamos a iniciativa. Outro houve que despertou em nós o desejo de avançar, de caminhar por um caminho novo diferente daquele que seria o mais lógico.

É esta a esperança que nos é dada neste domingo por Paulo, que já o dizia aos cristão de Filipos: “Aquele que começou em vós obra tão boa há-de levá-la a bom termo.” Não podemos desistir porque sabemos que alguém nos acompanha, que nos dá não só a coragem para vencer todos os obstáculos mas também a força para caminhar, mesmo que não vejamos resultados imediatos.

Mas as grandes obras são feitas também com a ajuda de umas carradas valentes de paciência, porque já Baruc dizia aos judeus: “Deus conduzirá Israel na alegria, à luz da sua glória, com a misericórdia e a justiça que d’Ele vêm.”
Jesus foi o primeiro pioneiro do coração, porque foi ele que nos mostrou que o nosso caminho passa verdadeiramente pela felicidade e salvação dos outros, e que só chegamos à descoberta de nós mesmos se descobrimos o nosso próximo seguindo o exemplo de Deus: com misericórdia e justiça, a mesma justiça que Deus teve para connosco, perdoando-nos, dando-nos a mão para que estivéssemos com ele.

Neste Advento vamos abrir os caminhos da humanidade que há em nós, descobrindo que, sejam quais forem as diferenças entre nós, o coração é o mesmo, como anunciava uma marca de roupa há algum tempo.

Deixar uma resposta