Saramago

A arte não é consensual. O prémio Nóbel não é garantia absoluta de génio literário.

Gostei de alguns livros do José Saramago. Até fiz um trabalho sobre ele num seminário do Curso de Teologia.

Dava-me pena o seu ar sempre zangado como tudo e com todos, a começar pela sua zanga com Deus, em quem dizia não acreditar. Para alguém que afirmava ser ateu, era estranho vê-lo obcecado com a figura e a pessoa de Deus, e a falar dele abundantemente em todos os seus livros.

Sem contar com as tropelias que a sua visão política do mundo o levaram a fazer.

A sua morte não pode servir para apagar a sua vida e santificar o seu comportamento.

Deixar uma resposta