Vergonha

A última vergonha na queda da Europa no Abismo:

A agenda jovem europeia não assinala as festas cristãs do Natal e da Páscoa. O ridículo e a veronha ainda é maior porque na mesma agenda vêm assinaladas festas hindus, sicks, muculmanas e judaicas.

O pseudo multiculturalismo da esquerda europeia deixou cair o véu: mais uma vez é o anti-catolicismo das elites europeias que procura destruir a sua cultura para criar uma nova sociedade, mais livre e justa, mas que cada vez se assemelha mais à sociedade desumanizada de “1984” de George Orwell ou do “Admirável mundo Novo” de Aldous Huxley.

Encontrei em O Povo a tradução da carta que Christine Boutin, anteriora Ministra do Urbanismo do Governo Francês, escreveu a Durão Barroso, presidente da comissão europeia:

Paris, 23 de Dezembro de 2010

À Atenção do

Exmo. Sr. José Manuel Barroso

Presidente da Comissão Europeia

Senhor Presidente,

Como sabe, a Comissão Europeia mandou fazer mais de 3 milhões de exemplares de uma agenda com as cores da União Europeia, para as escolas secundárias. Esta agenda tem, entre outras coisas, as festas judias, hindus, sikhs e muçulmanas, mas não assinala uma única festa cristã. Até mesmo a folha do dia 25 de Dezembro está vazia…

Como é possível uma tal discriminação?

A minha inquietação, incompreensão e mesmo indignação são enormes.

Será que a Comissão Europeia pode pretender que foi um esquecimento? Mas como é possível omitir involuntariamente a festa do Natal, celebrada por toda a Europa por milhares de pessoas mesmo não cristãs?

Verdadeiramente não posso aceitá-lo.

Em nome da verdade, em nome do que foi e do que é, não posso aceitá-lo. O papel da religião cristã na formação da Europa é um facto histórico inegável, e é aberrante que uma agenda mandada fazer pela Comissão europeia não o mencione de todo. Como é possível afirmar que esta agenda constitui uma “mina de informações sobre a União Europeia”, retirando-lhe qualquer referência ao cristianismo? Como é que se pretende instruir os jovens acerca da União Europeia negando a existência de uma religião que contribuiu de uma maneira fundamental para a sua construção e unidade?

Não posso também aceitá-lo em nome de uma grande parte da população europeia cuja religião é o cristianismo. Recuso-me a aceitar que seja assim negado e esquecido aquilo que tem uma tão grande importância na vida de todas essas pessoas, esse legado de valores e convicções que elas têm em comum.

Finalmente, não posso aceitar, em nome dos milhões de cristãos perseguidos e mortos pelo mundo fora, por causa da sua fé. Como é que a Europa pode dar provas de uma total ignorância sobre uma religião em nome da qual essas pessoas sofrem e morrem, haja em vista as festas que apenas podem celebrar com risco da sua própria vida?

Esperando o seu apoio em favor de uma Europa que promova o diálogo entre as religiões e que valorize a importância e a contribuição de cada uma delas para a construção duma sociedade de paz, de prosperidade e de tolerância,

Receba Senhor Presidente os meus sinceros e respeitosos cumprimentos

Christine Boutin

Ex- Ministra

C.C. para John Dalli, Herman Von Rompuy, Jerzy Buzek e Wilfrid Martens.

Neste link podem encontrar uma petição de protesto contra esta iniciativa da União Europeia.

Deixar uma resposta