Arquivo da categoria: Igreja

Francisco I

Esta semana, quando no Santuario falávamos sobre o conclave e sobre os nomes do futuro Papa, manifestei publicamente o desejosamente o novo Papa escolhesse o nome de Francisco.

Grande santos tiveram esse nome, a começado por Francisco de Assis, passando por Francisco Xavier e Francisco de Sales, sem esquecer o nosso querido Francisco Marto.

Louvado seja Deus. Que o Santo Padre Francisco I possa também reconstruir a Igreja, como o Francisco de Assis.

Sede vacante

A partir das 20:00 CET do próximo dia 28 o Papa Bento XVI deixa de ser Papa e Bispo de Roma. Sede vacante é a expressão que se usa para indicar o período entre a morte, ou renúncia (neste caso) e a eleição de um novo papa.

O símbolo para usar o ministério petrino são as chaves cruzadas, uma de prata e outra de ouro, relembrando a expressão de Mateus 16, 18-19: «Tu és Pedro, e sobre esta Pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do Abismo nada poderão contra ela. Dar-te-ei as chaves do Reino do Céu; tudo o que ligares na terra ficará ligado no Céu e tudo o que desligares na terra será desligado no Céu.»

O brasão dos papas contem o seu escudo sobreposto ás chaves cruzadas, encimado por uma tiara. Como não há papa não se usa o escudo nem a tiara, em sua substituição usa-se uma representação da Umbela (usada para cobrir o SS. Sacramento quando vai em procissão e não é possível usar o pálio) que, com as cores vermelha e amarela, é usada para simbolizar uma basília (a Basílica de S. Pedro, na colina Vaticana).

Ombrellino keys

 

Este Brasão é usado nos serviços habituais, que continuam o seu funcionamento como no cabeçalho do Orservatore Romano ou nos serviços postais do Estado do Vaticano.

Outra particularidade é que o nome do Santo Padre e toda a frase que se refere ao Papa, é omitida da Oração Eucarística durante o período da Sede Vacante. São nomeados só o bispo local e o clero segundo a forma literária de cada oração.

– na Oração Eucarística I rezar-se-á: “… defendei-a e governai-a em toda a terra em comunhão com o nosso Bispo N. e todos os Bispos…”

– na Oração Eucarística II rezar-se-á: “…em comunhão com o nosso Bispo N., e todos aqueles que estão ao serviço do vosso povo”.

– na Oração Eucarística III rezar-se-á: “…ao longo da sua peregrinação na terra com o nosso Bispo N. e todos os Bispos e ministros sagrados…”

– na Oração Eucarística IV rezar-se-á: “… de todos aqueles por quem oferecemos este sacrifício: o nosso Bispo N. e todos os Bispos e ministros sagrados…”

Vaticano em português

Ao ler hoje a mensagem do Papa Bento XVI para o dia mundial da paz, que podem ver nesta ligação, deparei-me mais uma vez com uma péssima tradução em português.

Por exemplo, alguém percebe esta frase: “A paz é uma ordem de tal modo vivificada e integrada pelo amor, que se sentem como próprias as necessidades e exigências alheias, que se fazem os outros comparticipantes dos próprios bens e que se estende sempre mais no mundo a comunhão dos valores espirituais.”

Muitas vezes já tive de recorrer a outras línguas no site do Vaticano para perceber o sentido de alguns textos traduzidos em português.

E infelizmente isto começa a acontecer para além do site do Vaticano. Como as traduções do site são versões oficiais, as editoras limitam-se a publicar esses textos, o que resulta na divulgação de textos confusos e muitas vezes incompreensíveis.

Já basta a dificuldade em ler textos teológicos com muitos termos que não são facilmente acessíveis à maioria das pessoas, isto não implica uma estupidificação da linguagem, mas ela deve ser o mais clara possível para que as pessoas percebam o queremos anunciar.

Natal

O livro de Bento XVI agora editado, sobre a infância de Jesus provocou uma grande reacção nos nossos meios de comunicação social e na blogosfera. O maior escândalo, mais ainda do que reafirmar a virgindade de Maria foi o de dizer que no presépio não estavam a vaca e o burro.

O Correio da Manhã e o Público o Expresso e a própria RTP não encontraram nada mais importante do que este pormenor para referirem esta obra, a visão  de um dos grandes teólogos do Séc XX, Joseph Ratzinguer, agora Papa Bento XVI. Como habitualmente a blogosfera foi mais acesa na sua “análise” a esta obra e crítica ao Papa, o que revela uma extrema ignorância.

Mas qualquer pessoa que tenha lido a Bíblia, ou pelo menos os 4 eEvangelhos, sabe bem que no relato da Natividade de Jesus não aparecem referidos estes animais. O presépio, como representação da cena da natividade, foi uma invenção de S. Francisco de Assis em 1223. Também a Bíblia não fala dos Reis Magos, diz que uns magos vieram do oriente a perguntar pelo rei dos judeus, que tinha nascido entretanto. Claro que a tradição tem peso na vida dos cristãos e é essa Tradição, já bimilenar que nos ajuda a compreender a Palavra de Deus e a torná-la actual

Mesmo a própria data do Natal, provocou um certo escândado, sobretudo nas mentes daqueles que fazem alarde do seu afastamento da Igreja.É um facto já sabido há muito pelos cristão: o Natal não é o dia do aniversário de Jesus,é o dia em que a Igreja celebra o nascimento do Filho de deus feito homem. É uma data estabelecida a partir da celebração romana do Sol Invicto, no solstício de Inverno. Para os cristãos Jesus é a luz do mundo, vencedor da noite do pecado e da morte, e por isso foi estabelecida esta data do 25 de dezembro para celebrar o nascimento de Deus encarnado.

Diz o Evangelho segundo S. Lucas, capítulo 2, versículos 16 e 17: “E quando eles ali se encontravam [em Belém], completaram-se os dias de ela dar à luz e teve o seu filho primogénito, que envolveu em panos e recostou numa mangedoura por não haver lugar para eles na hospedaria” Ἐγένετο δὲ ἐν τῷ εἶναι αὐτοὺς ἐκεῖ ἐπλήσθησαν αἱ ἡμέραι τοῦ τεκεῖν αὐτήν, καὶ ἔτεκεν τὸν υἱὸν αὐτῆς τὸν πρωτότοκον, καὶ ἐσπαργάνωσεν αὐτὸν καὶ ἀνέκλινεν αὐτὸν ἐν φάτνῃ, διότι οὐκ ἦν αὐτοῖς τόπος ἐν τῷ καταλύματι.

Se os jornalistas tivessem o cuidado de saber mais um bocadinho do que falam poupavam muitas confusões e mesmo desprestígio para o seu trabalho.

Dias Santos

Uma decisão ajuizada:

A Santa Sé e a Igreja Portuguesa decidiram que os dias santos (que também são feriados) que deixam de o ser (e só entre 2013 e 2018) serão a Solenidade do Corpo de Deus, que passa a ser transferida para o domingo seguinte, à semelhança do que acontece noutros países, e o Dia de Todos os Santos, que continua a ser a ser solenidade mas sem ser considerado dia santo, como tantas outras ao longo do ano.

Podem ler mais informações na Ecclesia.

Que Igreja somos

Ates da Sua Ascenção Jesus deixou uma ultima recomendação aos Apóstolos: “Ide pelo mundo inteiro, proclamai o Evangelho a toda a criatura. Quem acreditar e for baptizado será salvo.” (Mc 16, 15-16)
Ultimamente parece que nos esquecemos que a nossa missão, como discípulos de Jesus Cristo, é anunciar o Evangelho a quem não acredita. Não podemos por isso refugiar-nos dentro das nossas muralhas para nos protegermos dos males do mundo e das suas perseguições. Não podemos regressar a um tradicionalismo litúrgico que afaste as pessoas de um encontro pessoal e real com Jesus.
O que mais me escandalizou aqui à tempos em que assisti a uma missa tridentina, e digo assisti porque não consegui encontrar forma de participar activamente, foi ver o padre, de costas para nós, inclinado sobre os dons do pão e do vinho a recitar a Oração Eucarística em silêncio.
É necessário abrir-mo-nos ao Mundo para lhes poder falar de Jesus, para lhes mostrar a Graça de Deus; foi isso que fizeram os Apóstolos depois do Pentecostes: eles não ficaram dentro do cenáculo a relembrar e viver a comunhão com Cristo, protegidos do mundo pelas paredes numa comunidade perfeita e perene.
O tema do próximo ano pastoral da Diocese de Leiria-Fátima é tornar os cristãos sinais de Cristo na sociedade, e não podemos fazê-lo se estivermos fechados dentro dumas muralhas como um “Álamo”. Temos de abir as portas para podermos sair ao encontro dos irmãos e para que eles possam entrar na Casa do Pai.

A Palavra do Senhor

Em Outubro de 2008 realizou-se a Assembleia Geral do Sínodo dos Bispos sobre a Palavra de Deus.

Dos trabalhos realizados resultou a publicação da Exortação Apostólica Verbum Domini (A Palavra de Deus). Com data de 30 de Setembro, festa litúrgica de S. Jerónimo, foi tornada pública mundialmente na passada quinta-feira, dia 11 de Novembro. Assim foi possível encontrar logo os livros com a tradução oficial nas diversas línguas.

50 anos de Cursilhos

Este ano o Movimento dos Cursilhos de Cristandade está a celebrar os 50 anos de existência em Portugal.

O primeiro Cursilho foi realizado em Fátima de 1 a 4 de Dezembro de 1950.

Os Bispos de portugal que estiveram reunidos em Assembleia Geral publicaram uma Nota Pastoral a este propósito.

Qual não foi o meu espanto quando logo no início do documento me deparei com uma gafe do tamanho da Igreja da Santíssima Trindade:

Numa posição extremamente clerical dizem que o fundador foi o Bispo D. Juan Hervás, apoiado por uma equipa de padres e um grupo de leigos. Isto não corresponde à verdade.

O primeiro cursiho foi realizado entre 19 e 23 de Agosto de 1944 em Cala Figuera de Felanitx  na Ilha de Maiorca orientado por um grupo de rapazes da acção católica (José Ferragut, Eduardo Bonnín e Jaime Riutort) e o acompanhamento espiritual do P. Juan Juliá.

D. Juan Hervás bispo de Maiorca a partir de dezembro de 1947, apoiou aquele grupo de Jovens que já tinha realizado alguns Cursilhos de Cristandade, nomeado dois padres (P. Sebastián Gaya e P. Juan Capo) para providenciarem a assistência espiritual aos cursilhos.

De 7 a 10 de Janeiro de 1949 realiza-se em San Honorato o primeiro cursilho numerado, seguindo no entanto o mesmo esquema posto em prática desde aquele primeiro cursilhos em Cala Figuera ao qual se seguiram mais cinco antes do Cursilho de San Honorato.

Missa 13 Maio

Hoje começaram a ser distribuídos os passes para os padres que vão participar na Missa com o Santo Padre no dia 13 de Maio.

Vamos lá ver se o número é maior que no ano de 2000 (estiveram 1100 padres) quando foi a beatificação dos pastorinhos.